Home Haras Bafo da Onça Cavalo Pantaneiro

Cavalo Pantaneiro

Uma raça única de equinos, que se adaptou como nenhuma outra ao ambiente quente e úmido e às longas distâncias da planície pantaneira. O cavalo pantaneiro tem sua origem dos cavalos Ibéricos trazidos ao Brasil na época da colonização.

Os animais introduzidos na região multiplicaram-se e formaram uma raça muito bem adaptada às condições ecológicas do Pantanal. Isto foi fruto da ação da seleção natural durante centenas de anos. Desde a implantação de fazendas no Pantanal, o cavalo pantaneiro tem sido importante para a lida do gado e como meio de locomoção para os habitantes da região.


Apesar das suas qualidades, a raça quase chegou à extinção devido a fatores como doenças e cruzamentos indiscriminados com outras raças. O trabalho feito por instituições como a Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Pantaneiro (ABCCP), criada em 1972, evitou a extinção da raça, que hoje se encontra em estado vulnerável, o que ainda necessita de programas específicos para a sua conservação.

Um dos principais motivos para a conservação do cavalo pantaneiro é o seu valor genético. Adaptada de maneira singular às condições do Pantanal, a raça apresenta hoje uma grande utilidade no manejo do gado de corte, principal atividade econômica da região.

Valorização A pesquisadora especialista em produção e manejo animal, Sandra Santos, da Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, revela que o homem do campo do Pantanal reconhece hoje o grande valor do cavalo pantaneiro na lida do gado. “Ele faz questão que a raça seja preservada com suas características rústicas de força e agilidade para o trabalho de campo. A beleza para exposições não é a qualidade mais valorizada por eles”, explica.

Outra qualidade da raça que tem sido muito valorizada pelos criadores é a agilidade para provas equestres, como enduro e rédeas, com exemplares pantaneiros bem colocados em competições nacionais. “Se com um número ainda pequeno de animais já conseguimos essa qualidade, num futuro próximo, com mais criadores e animais, isso será ainda melhor”.

Nos quatro leilões anuais especializados da raça – Campo Grande e Corumbá, em Mato Grosso do Sul, e Poconé e Cuiabá, no Mato Grosso, os preços alcançados por alguns exemplares têm batido recordes históricos. No leilão deste ano em Cuiabá, em julho, a égua Herança e o cavalo Debochado, astros da abertura da novela ‘Paraíso’ da Rede Globo, foram arrematados por R$ 148 mil e R$ 64 mil, respectivamente. Os preços crescentes mostram um mercado promissor e grandes chances de conservação para a raça.

Existem atualmente cerca de 5 mil cavalos pantaneiros puros registrados na ABCCP, com mais de 130 criadores localizados em 21 subregiões. O número total estimado de equinos no Pantanal é 100 mil, o que revela uma grande quantidade de animais mestiços, segundo Sandra Santos.

Na fazenda Nhumirim, campo experimental da Embrapa Pantanal na região pantaneira da Nhecolândia, a 160 quilômetros de Corumbá, existem atualmente 73 exemplares da raça registrados. Lá são feitas pesquisas em manejo, melhoramento genético e sanidade, com tecnologias transferidas aos produtores para conservação e aumento da qualidade da raça.

Em leilão realizado em 2008, a Embrapa Pantanal conseguiu R$ 24 mil por uma fêmea de nove meses de idade. Para a pesquisadora, o plantel da fazenda Nhumirim é valorizado pelos criadores por conta do trabalho de seleção voltado para a adaptação às condições do Pantanal e para a funcionalidade. “São 20 anos de pesquisa voltada para a seleção. Isso mostra que os produtores e fazendeiros do Pantanal estão valorizando cada vez mais animais com qualidade e procedência”, disse Sandra.

A principal ameaça ao cavalo pantaneiro hoje ainda é a anemia, que impede o registro de exemplares infectados na associação. “É importante prevenir e controlar a doença com boas práticas de manejo e pesquisas em sanidade”, diz a pesquisadora. Ela explica que o manejo adequado e a realização de exames encarecem a produção. “Mas eu creio que esse reconhecimento e valorização da raça em termos econômicos, históricos e culturais vão gerar um maior interesse de mercado e alavancar o cavalo pantaneiro”.

 
Português (Brasil)English (United Kingdom)
Haras Bafo da Onça - Cavalo Pantaneiro

Clima no  Pocone 

35°C
Máxima: 36°C
Mínima: 25°C
Nascer do Sol  5:27 am
Pôr do Sol 5:41 pm
Vento: 8.05 kmh
Humidade: 39 %
Visibilidade: 9.99 km
 
Login ou Registre-se
Faça o login para aceder à àrea de documentos